FURACÃO CATARINA - Formação do furacão observada pelo satélite GOES-12

AS IMAGENS DO VÍDEO MOSTRAM A FORMAÇÃO E A DISPERSÃO DO FURACÃO CATARINA.

 

Furacão "Catarina" se desloca em direção ao Sul do país - Folha on line, 27/03/2004 

Batizado de "Catarina", o furacão que se formou a cerca de 440 km da costa sul do Brasil se desloca lentamente em direção ao continente e ao sul do Estado de Santa Catarina.

Denominado de furacão categoria 1, com ventos que variam de 118 km/h a 152 km/h, o fenômeno ganhou um pouco de força entre a noite de sexta-feira e a manhã deste sábado.

"Entre ontem e hoje ele se deslocou rumo ao litoral, mais ao sul, com uma série de fatores alimentando ele, como o aquecimento da corrente marítima do Brasil e o aquecimento do próprio continente, o que faz com que ele ganhe energia, ficando um pouco mais intenso", disse o meteorologista Marcelo Martins, do Climerh (Centro Integrado de Meteorologia e Recursos Hídricos de Santa Catarina).
O centro do furacão está a cerca de 400 km da costa e mais ao sul do Estado. Se continuar no mesmo ritmo e direção, ele pode atingir o continente entre sábado e domingo. No entanto, segundo o meteorologista, "tudo pode acontecer".
"Ele pode se intensificar e ir para a costa, pode chegar na costa e virar tempestade tropical ou se dissipar no caminho."
A presença do fenômeno no oceano já causa agitação no mar, perto do continente, ventos de cerca de 100 km/h na costa do litoral sul do Estado e ondas entre 2,5 metros e 4 metros de altura em alto-mar. Se atingir o continente, o furacão pode derrubar árvores e causar chuvas fortes.
Conforme o meteorologista, este é um fenômeno inédito na região.
Os órgãos de defesa civil do Estado alertam a população sobre a possibilidade de o furacão atingir o continente. A recomendação é de que os moradores não sigam para o mar e acompanhem o noticiário.

Furacões

Os furacões são medidos de acordo com a escala Saffir-Simpson, desenvolvida no começo dos anos 70 pelo engenheiro Herber Saffir e o diretor do Centro Nacional de Furacões dos EUA, Robert Simpson. A escala indica o potencial de destruição de um furacão levando em conta pressão mínima, vento e ressaca causada pela tormenta.
Os fenômenos são classificados em categorias que variam de 1 a 5. Na primeira categoria os ventos variam de 118 km/h a 152 km/h. Não causam danos a estruturas de construções, mas podem arrastar arbustos e árvores. Também podem causar pequenas inundações em vias costeiras e pequenos danos em marinas.
Já o furacão categoria 5 causa danos catastróficos, com ventos superiores a 250 km/h.


formação de furacões, furacão catarina, imagens de satélite

segunda 05 maio 2008 20:02 , em SALA DE VÍDEO - PRIMEIRO ANO



Nenhum comentário FURACÃO CATARINA - Formação do furacão observada pelo satélite GOES-12



Seu comentário :

(Opcional)

(Opcional)

error

Importante: comentários racistas, insultas, etc. são proibidos nesse site.Caso um usuário preste queixa, usaremos o seu endereço IP (54.234.225.23) para se identificar     



Abrir a barra
Fechar a barra

Precisa estar conectado para enviar uma mensagem para espacodageografia

Precisa estar conectado para adicionar espacodageografia para os seus amigos

 
Criar um blog